segunda-feira, 21 de maio de 2018


Henrique Leonor de Pina (1930-2018)

Henrique Leonor de Pina nos Almendres, em reportagem da RTP de 29 de Agosto de 1970
(A reportagem pode ser vista na íntegra aqui: https://arquivos.rtp.pt/conteudos/achado-arqueologico-em-almendres/#sthash.ixML1PB8.dpbs )


Graças ao Prof. Galopim de Carvalho, soubemos ontem (20 de Maio) do falecimento de Henrique Leonor de Pina, o homem a quem se deve nos longínquos anos 60 a identificação e estudo da Anta Grande do Zambujeiro e do Cromeleque dos Almendres, dois dos mais importantes monumentos megalíticos do território português, e hoje verdadeiros ex-libris (ainda que praticamente abandonados à sua sorte) da arqueologia pré-histórica alentejana. Apesar de já por várias vezes neste blog (que foi buscar à simbologia das "pedras talhas" dos Almendres o seu próprio nome) termos evocado a figura de Henrique Leonor de Pina, há muito retirado das lides arqueológicas, não podíamos deixar de, neste momento de tristeza, realçar de novo o muito que o Alentejo e em particular estas terras de Montemuro, ficam a dever a Leonor de Pina. Por triste coincidência, alguém recordava ontem que passavam precisamente 3 anos sobre o desaparecimento de outra figura, bastante mais jovem, que nos últimos anos de vida tanto dedicara ao estudo dos menires dos Almendres, o malogrado Pedro Alvim (1970-2015).

Para memória futura, aqui se registam alguns testemunhos e documentos, sobre o arqueólogo e o homem agora desaparecido.


O testemunho do Prof. Galopim de Carvalho:

1. Em memória de HENRIQUE LEONOR PINA (1930-2018)
Faleceu hoje, em Santarém, o arqueólogo amador que descobriu, identificou e o que primeiro descreveu o Cromeleque dos Almendres.
Com mais três anos do que eu, o Henrique Leonor Pina, aos dezassete anos, quando o conheci, a meados dos anos 40, era um jovem adulto, pleno de entusiasmo e energia, nos seus oitenta a noventa quilos de ossos e músculos. Meu condiscípulo no Liceu Nacional André de Gouveia, em Évora, viera de Montemor para continuar os estudos no antigo 6º ano (actual 10º), entrara eu no 4º. Nesse tempo, o Latim, associado à disciplina de Português, tinha lugar de relevo no ensino ao longo de três anos lectivos, entre os 4º e 6º anos. 
Tornámo-nos amigos. Fazíamos o mesmo percurso, por São Mamede e Buraco dos Colegiais, a caminho do liceu, ele vindo das Portas de Alconchel, eu dos arredores da Porta Nova. Nos meus verdes anos de adolescente, ainda mantinha o ar de rapaz miúdo ao lado de um adulto que já fazia a barba. Nesse contraste, ele via-me como aquilo mesmo que eu era e eu olhava-o como um crescido, capaz de me ensinar coisas e dar protecção.
Foi nesta medida que, numa das caminhadas matinais em demanda das aulas , ele, já então detentor de uma cultura invulgar num jovem da sua idade, muito bom aluno em todas as disciplinas, sabedor de tudo e mais alguma coisa, me perguntou:
- E o Latim? Estás a gostar?
- Sinceramente, não. – Respondi, meio envergonhado. – A professora é uma chata e as aulas são uma seca.
- E a História?
- Gosto mais. O professor é bom. É surdo como uma porta, mas consegue prender a atenção da malta. Está sempre de mão em concha atrás da orelha ou, então, a molhar o dedo mendinho na boca e a enfiá-lo, ouvido adentro, como que a querer desentupi-lo. – Comentei, num jeito de quem goza com a desgraça alheia.
A partir de então, os minutos da nossa caminhada conjunta passaram a ser as minhas aulas da, então para mim ainda estranha, língua de Virgílio, ocupadas com dozes maciças de nominativo, acusativo, genitivo, dativo, ablativo, vocativo e textos incapazes de despertar o interesse dos alunos. Foi com ele e com outros jovens conterrâneos da mesma geração (em especial, com Mário Ruivo, Lima de Freitas, Marcolino Gramacho, Júlio Roberto, Fernando e David Bragança Gil), não na escola, que aprendi a gostar de saber.
O Pina foi um dos meus companheiros de adolescência no campismo selvagem que fizemos nos campos do concelho de Évora. Mais tarde tornámo-nos compadres, tendo sido padrinho de baptizado do meu filho Nuno.
Corria o ano de 1964, juntámo-nos de novo em Évora, eu como geólogo, ele como arqueólogo. Eu iniciava ali a orientação de um grupo de alunos finalistas de Geologia, empenhados no trabalho de campo conducente à execução da folha nº 40-A (Évora), da Carta Geológica de Portugal, na escala de 1:50 000, numa frutuosa colaboração da Faculdade de Ciências de Lisboa com os Serviços Geológicos de Portugal e a Junta Distrital de Évora. O Pina voltava ali como arqueólogo, em trabalho de escavação da Anta Grande do Zambujeiro, na vizinhança da herdade da Mitra (Valverde, freguesia de Nossa Senhora da Tourega), onde funcionava a Escola de Regentes Agrícolas de Évora. 
Como amador que era, este meu compadre, licenciado em História e Filosofia, fazia as suas campanhas arqueológicas por conta própria com o suporte da referida Junta Distrital, que assumia o pagamento das jornas da meia dúzia de homens e mulheres que, anos a fio, integraram o seu grupo de trabalho. Trabalhadores rurais, inteligentes e hábeis no terreno, como um qualquer aluno universitário em trabalho de estágio, eram alegres e brejeiros no convívio, eles e elas, resistentes ao cansaço, ao sol e ao calor do estio.
Num belo dia de Agosto, um pastor, homem de meia idade, conhecedor de tudo o que eram terras em redor, passando por ali, esteve que tempos a observar o trabalho dos camaradas na dita escavação e, de vez em quando, a dar a sua opinião. Dirigindo-se ao Pina, perguntou-lhe se já tinha ido ao Alto das Pedras Talhas, a poucos quilómetros dali, explicando que as grandes pedras ali reunidas tinham a forma ovóide dos grandes recipientes de barro em que, no Alentejo, se fermentava o mosto e guardava o vinho, oferecendo-se para o conduzir até lá.
Particularmente sensível à perfeita e sugestiva descrição feita pelo pastor, o Pina aceitou, de imediato, a oferta e lá foram no dia seguinte, a caminho da descoberta (em termos arqueológicos) do recinto megalítico dos Almendres. 
Foi o deslumbramento! O sítio arqueológico que se guindou à condição de maior conjunto de menhires da península ibérica e um dos mais importantes da Europa, estava à vista de quem o quisesse ver, na freguesia de Nossa Senhora de Guadalupe, com fácil acesso a partir da estrada nacional de Évora para Lisboa, ao km 10. Uma pérola, em que nunca ninguém tinha reparado
Deste monumento restam cerca de noventa monólitos (desde pequenos blocos, pouco ou quase nada afeiçoados, a outros maiores lembrando as ditas talhas), num estado de conservação ainda muito bom, uns com pequenas covas centimétricas e outros decorados, exibindo relevos ou gravuras.
Numa história recente, este local foi usado como pedreira de onde se retiraram e destruíram vários destes grandes blocos, todos eles de rocha granitóide (granodiorito e quartzodiorito de várias proveniências, alguns transportados de distâncias superiores a 2 km). 
Têm sido muitos e importantes os estudos realizados por diversos autores sobre esta relíquia neolítica, testemunho de várias idades, ao longo dos V e IV milénios antes de Cristo, aceitando-se hoje que “formaram dois recintos erguidos em épocas distintas, geminados e orientados segundo as direcções equinociais”.

No dia seguinte, o Pina levou-me a admirar este magnífico património que pôs o Alentejo e Portugal na rota de especialistas e de cidadãos interessados neste domínio do saber. Vi no pormenor e ouvi as primeiras explicações de um estudioso que, sendo amador, ficou na história de um dos mais importantes achados arqueológicos de Portugal.
(20 de Maio de 2018- 15h)

2. Dados biográficos de Henrique Leonor de Pina, segundo o jornal "O Almeiriense" de 3 de Abril de 2014, por ocasião da inauguração de uma exposição de pintura, actividade artística a que HLP se dedicaria no Outono da vida:


Nasceu em Almeirim 1930, onde passou parte da sua infância pois acompanhou os seus pais em trabalho por Montemor-o-Novo e Évora. Foi nesta cidade que terminou o ensino secundário e o Magistério Primário, aí casou e com 20 anos regressou à sua terra natal como professor primário.A necessidade de emprego não invalidou a sua vontade inquebrantável de prosseguir os estudos no ensino universitário que concretizou como trabalhador estudante: matriculou-se em Direito mas, logo depois, o seu gosto pela História falou mais alto vindo a licenciar-se em Histórico-Filosóficas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Foi chefe de departamento de Recursos Humanos na empresa “Efacec” em Estarreja/Porto transferindo-se depois para Santiago do Cacém e Lisboa. Nas suas férias, passadas em Évora, dedicou-se com paixão à descoberta, estudo e escavações de monumentos megalíticos da pré-História (Antas, menhires e Cromleques) da região alentejana, em trabalhos de campo que implicavam a constituição de equipas e estreitos contactos com pastores e trabalhadores rurais.Nos anos 70 voltou a lecionar no ensino secundário em Lisboa, na Escola Técnica Machado de Castro e Liceu MªAmália Vaz de Carvalho.
Homem de cultura, democrata e cidadão interveniente-Desde jovem foi leitor compulsivo e sedento de conhecimentos,sensível às desigualdades e injustiças sociais. Com um elevado sentido cívico foi oposicionista e resistente à ditadura salazarista. Enquanto professor em Almeirim deixou nos seus alunos uma abertura de ideias inovadoras e pouco habituais. Em 1957 quando decorria a campanha eleitoral para a Presidência da República convidou os seus alunos a saudarem o Gen.Humberto Delgado, candidato da oposição à ditadura, quando este passou por Almeirim sabendo que os resultados eleitorais viriam a ser falsificados pelo regime da opinião única. Foi um momento de grande euforia e esperança popular que perpassou por todas as gerações até aos mais jovens.
Homem criativo de letras e artes Pelo outono da idade mostrou a sua jovialidade intelectual e criativa escrevendo “Os Papéis de S.Roque”, romance histórico passado em Almeirim cuja edição(2005), apoiada pelos seus antigos, alunos esgotou em pouco tempo. E agora surpreende-nos com a sua pintura, faceta criativa de artista plástico, guardada na sua intimidade e desconhecida de todos. Dir-se-ia que “nunca é tarde…” e temos agora a possibilidade de apreciarmos a sua Pintura na exposição patente na Galeria Municipal de Almeirim entre 12 Abril e 3 Maio 2014.
3. Reportagem sobre as escavações de HLPina, publicada por Mário Ventura Henriques, no Diário Popular de 13 de Outubro de 1967:  (http://pedrastalhas.blogspot.pt/2015/01/a-mais-bela-maquina-de-viajar-no-tempo.html


4. Entrevista a Henrique Leonor de Pina, conduzida por António Alegria (actual Director do Museu de Évora) e Carla Magra, e publicada no Boletim Cenáculo, nº 1, publicação on-line daquele Museu que, inexplicavelmente se encontra "of-line", tal como o próprio SITE do Museu. Recorde-se que parte do importante espólio arqueológico da ANTA GRANDE DO ZAMBUJEIRO se encontra actualmente exposto naquele Museu (após ter sido religiosamente guardado por HLP que apenas o entregou ao extinto Servioço Regional do Sul, uma vez dadas garantias de que o mesmo viria a ser exposto publicamente, como veio a acontecer após as obras de remodelação do Museu de Évora):

Nos anos 60, o arqueológo Henrique Leonor Pina, na companhia do Galopim de Carvalho e de José Pires Gonçalves, entre outros, protagonizou uma série de achados arqueológicos que enfatizaram a importância e extensão da cultura megalítica no território do Alentejo Central.
O ponto culminante da sua acção foi, sem dúvida, em 1964, a descoberta e as escavações arqueológicas realizadas na Anta Grande do Zambujeiro, um dos maiores monumentos funerários da Península Ibérica. Esse trabalho deu origem a um importante espólio – a colecção Henrique Leonor Pina -, que hoje integra as colecções do Museu de Évora, num inventário que abrange cerca de duas mil entradas.
Do seu trabalho faz parte, ainda, a identificação de um importante conjunto de menires, cromeleques e monumentos funerários, só possível pela estreita ligação do arqueólogo com a população local, que Leonor Pina entendia como verdadeiros interlocutores. Com os pastores, agricultores e caçadores criou uma rede de prospectores do território, entre os quais recrutou os auxiliares para participar nas escavações e com quem, numa perspectiva antropológica universalista, discutia as interpretações simbólicas dos achados arqueológicos.
Ao contrário do que é comum pensar-se, a Anta Grande do Zambujeiro sofrera um longo processo de alterações, e a escavação arqueológica, realizada com escassos meios, defrontou problemas complexos não só devido as dimensões do monumento, mas também pela imediata necessidade de intervir para conservar a sua coerência estrutural.
Com o seu cunho muito pessoal e emotivo, Henrique Leonor Pina reconstitui nessa entrevista, sempre a volta da Anta Grande do Zambujeiro, a memória desses anos, permitindo nos vivenciar o contexto no qual as escavações foram realizadas, num tempo em que a acção do arqueólogo passava muito pelo empenhamento individual, mas que também estava aberto a uma utopia comunitária. Como muitas vezes defendeu, havia uma estreita ligação entre os diversos monumentos megalíticos, numa ocupação estruturada e simbólica da paisagem, e só uma forte ligação da população local com esse património disperso é que se poderia pensar no conhecimento e preservação desse conjunto, intimamente ligado a ocupação do território.

 Podemos deixar de lado o suspense e ir directo ao assunto. Como é que o Henrique Leonor Pina descobre a Anta Grande do Zambujeiro?
Em Março de 1964, a Anta do Barrocal, na freguesia da Nossa Senhora da Tourega, em Évora, está numa situação crítica, ameaçando ruir, por causa de umas chuvadas muito intensas que tinha havido, e eu vim aqui fazer o trabalho de consolidação para impedir a sua queda. Levantaram-se um pouco os esteios, veio um homem das pedreiras ensinar como se fazia aquilo, e consolidou-se a estrutura. A Anta havia sido estudada no tempo do Leite de Vasconcelos (1898) e já estava classificada como Monumento Nacional. De maneira que fiz ali uma primeira sondagem, apareceram muitos fragmentos de ídolos-placa. A escavação foi realizada em condições muito adversas, porque chovia muito, estava tudo enlameado.
Foi nessa altura, no dia 24 ou 25 de Março, que me aparece o guarda da Mitra, o Sr. António Rebocho, mais conhecido como o “ti” António Gadunhas, um verdadeiro camponês arqueólogo, que veio me dizer: senhor fulano, ainda bem que aqui está. Se viesse cá no Verão, eu poderia lhe mostrar algumas coisas. Chovia que Deus a mandava. Esperar pelo Verão? Não, vamos já a isso. Eu tinha um dois cavalos, fomos com o dois cavalos. A primeira coisa que vamos fazer, disse-me ele, chamam-lhe o cabeço da Anta, mas não é anta nenhuma, há um chapéu, mas não vejo nenhuma anta. Eu, quando cheguei lá, fiquei com os olhos em bico. Passámos a ribeirinha de Valverde, subimos, fomos ver aquilo, depois viemos atrás, ver a entradinha. Aqui está uma Anta, sim, mas tem… dez metros de altura!
 E teve a certeza, desde o início, que era uma Anta?
Tive a certeza. Primeiro, aquilo era um monte artificial. Passados alguns dias, eu pedi ao Galopim de Carvalho que passasse por lá e identificasse qual daqueles montes não era um monte natural. Ele chegou aí a uns cinquenta metros e confirmou logo aquele como um monte artificial.
Antes de contar-nos como se realizaram as escavações arqueológicas, podemos recuar um pouco no tempo. Quando é que começa a interessar-se pela arqueologia?
Muitos dizem: nasci arqueólogo, o que não é mais que um mito. Quando fiz o sexto ano do liceu, em Montemor, vim para Évora, morar no princípio da Rua dos Penedos. Ainda fiz exame de admissão para Direito em Lisboa, mas não me adaptei aquilo, e preferi seguir o Magistério Primário. Lembro que uma vez fui ao Alto de São Bento e, aí sim, admito que fosse um certo fado, encontrei um machado neolítico, fragmentado, que esteve muito tempo em cima da mesa, até que a minha mulher o deitou fora. Talvez tenha sido o meu primeiro contacto, mas isso não foi de nascença.
E os primeiros trabalhos em arqueologia?
Exactamente, quando é que eu vou fazer o meu primeiro trabalho? Cinco ou seis anos mais tarde, quando a minha filha já era nascida, por volta de 1955, é quando eu faço o estudo da Anta da Herdade do Duque, em Reguengos de Monsaraz. Pedi uma carta ao Manuel Heleno, que era director do Museu Nacional de Arqueologia, pensei que deveria ser o responsável por aquilo… e portanto esse foi o meu verdadeiro início na arqueologia, que depois é publicado na Revista de Guimarães (Pina: 1961a). Escavei em companhia do meu amigo Manuel Sapatarra, e depois entregamos os achados ao padre Júlio de Monsaraz.
Trabalhei depois com o Galopim de Carvalho na foz do Leça, no Porto de Leixões (Pina, 1961b). Estávamos a trabalhar por grupos, um constituído por biólogos, estudavam os materiais que diziam respeito a micro flora e a micro fauna; um outro grupo estudava a parte física da geologia; e o Galopim de Carvalho que estudava, digamos assim, a parte “móvel” da geologia, o movimento das areias e do lodo; e eu que ia a procura das pedras. Tive a sorte de encontrar, mesmo ao lado do mercado de Matosinhos havia umas barreiras, e encontrei umas pedras roladas que serviriam para pesos de rede, sobretudo para poderem ser lançadas. Desse trabalho fiz um estudo com um sistema de classificação identificando as variantes segundo o peso e tamanho.
Depois foi a Anta da Velada das Éguas, da Herdade do barrocal, na Freguesia da Tourega, no concelho de Évora, com o Galopim de Carvalho, publicada no Boletim da Junta Distrital, em 1962. Aquilo está muito bem publicado porque o Galopim de Carvalho desenhou aquelas placas todas, por um sistema que ele inventou, realizando os desenhos a partir dos negativos.
Com o é que surgiu o projecto de escavar a Anta Grande do Zambujeiro? Foi um projecto pessoal, ou foi decidido pela junta Distrital…
Foi um projecto pessoal apoiado pela Junta Distrital, que só pagava aos trabalhadores e a gasolina do dois cavalos. Eu fui lá com o Armando Perdigão, presidente da Junta Distrital e da Câmara Municipal de Évora, mostrei-lhe aquilo, depois o fotógrafo da Câmara, o David de Freitas fotografou-a.
E quem era a equipa, onde é que foi recrutar a equipa?
A equipa era constituída exclusivamente por camponeses. O Galopim de Carvalho não podia, estava em França, realizando o doutoramento, e esteve ausente três, quase quatro anos. Foram cinco anos, cinco campanhas, e foi num desses anos em que participou o Bragança Gil, não me recordo exactamente, acho que foi no terceiro. Alguns eram parentes daqueles que tinham escavado comigo a Anta da Velada das Éguas (Pina e Carvalho, 1962). Eram muito novos, e alguns deles morreram em combate na Guiné, outros dispersaram. Havia ainda parentes do Augusto Machado, que passou a funcionar como o chefe da equipa, ele está vivo, e a Joaquina, que está um pouco doente.
Os trabalhadores são recrutados em Valverde. E quanto tempo durava as campanhas? Eram as suas férias…
Três semanas, eu só tinha quatro semanas de férias no Verão. O material era requisitado previamente. Eu escrevia ao presidente da Junta Distrital, o Armando Perdigão: preciso de tantos carrinhos, tantas pás, picaretas, picolas, etc. Fazia uma lista dessas coisas, e ele, por sua vez, requisitava à Junta Autónoma das Estradas. Trabalhavam homens e mulheres, porque as mulheres eram importantes, até para fazer a comida, para buscar a água, e para estar a peneirar, e é por isso que uma delas encontra os fragmentos da jóia de ouro e as esconde no avental: Ah, julgava que isso fossem cápsulas (risos).
E como é que evolui o processo de escavação? Só para lembrarmos da situação inicial, a anta encontrava-se completamente coberta dentro de uma mamoa com cerca de 50 metros de diâmetro, e só os topos dos esteios da câmara funerária estavam visíveis.
No primeiro ano foi limpar a área, aquilo era extenso, no princípio eu não tinha tempo, e então pedi que viessem com uma máquina para remover a terra, a parte de cima que tinha sido lavrada, havia muito mato. Eu fiz ali sondagens, não havia espólio nenhum, nada.
Só depois desses trabalhos é que começa a aparecer o chapéu, antes só umas pontas dos esteios que durante muito tempo apresentavam uma coloração diferente, porque apanhavam sol.
Logo abaixo desse nível começam a aparecer coisas que eu julgo que já são da Idade do Ferro. A certa altura aparece um fragmento de vidro fenício, talvez proveniente de trocas comerciais.
Eu digo, bom, isso vai ser uma coisa notável, e depois vamos continuar, continuar, continuar, de maneira que no segundo ano, já se começa ver a hipótese de entrar no corredor, tirando-lhe o miolo, porque uma parte de cima era escorrimento das águas, quer dizer, as águas iam se infiltrando, e a parte de cima era sobretudo um composto de areias lavadas, numa camada com cerca de trinta centímetros.
Então, no terceiro ano a escavação avança lentamente pelo corredor, que tem cerca de 12 metros de comprimento, um metro e meio de largura por dois de altura, coberto pelas, comparativamente, pequenas lajes que se uniam umas às outras.
Isso. A lâmina de bronze foi encontrada na parte superior, mesmo sobre as pedras da cobertura do corredor, foi uma das primeiras coisas que encontrei. Aliás, o corredor estava dividido em dois. Um deles estava completamente tapado pelo lado Sul, entulhado, porque aquilo tinha desabado. Em algum momento deixou de estar funcional, e ali praticamente não encontrei espólio. E havia uma parte, ainda lá está, com aqueles esteiozinhos a sustentar as pedras do corredor. Mas, quando chegámos lá a frente, próximo da padieira, eu vejo que nós não podemos avançar mais, havia o risco de ficarmos soterrados.
Como sabem, a câmara funerária é formada por sete esteios, com cerca de 8 metros a partir da superfície do solo, coberta por uma única pedra.
Mas a pedra de cobertura da câmara, o chapéu, estava partido desde o início das escavações?
O chapéu estava partido, aliás pode-se ver, os fragmentos estão lá sem nenhum prejuízo, porque a única coisa que fizemos foi desloca-lo para o lado de fora, porque a partir de uma certa altura eu tinha receio que aquilo caísse. Escoramos, levantamos aquilo tudo, tanto que as coisas estão lá. As varas de aço de furar para por dinamite que se usavam nas pedreiras ali ao lado, foram introduzidas nos esteios para servir de escoras.
Mas quem dinamitou? Tinha sido dinamitado antes?
Não, não, ninguém dinamitou. Havia uma pedreira da GRAEL ao lado, e havia um senhor que já faleceu, o Francisco Mendes, que dirigia o corte das pedras, era canteiro de profissão. Então, ele foi lá com um guincho mecânico, e com outros dois manuais e fizemos as movimentações das pedras.
O chapéu estava fragmentado e abateu, o que, na minha opinião, deve ter sido causado por um terramoto, porque para uma estrutura daquelas enterrada fragmentar-se, é preciso um abalo sísmico enormíssimo. Bom, a certa altura aquilo abate-se e passa a haver enterramentos em cima, porque não se podia entrar pela parte debaixo, porque um dos esteios, o quarto, havia colapsado para o interior.
A pedra de cobertura da câmara estava deslocada e fragmentada, havia necessidade de intervenção na estrutura do monumento a medida que se escavava. O processo era muito complexo…
Nós, antes de fazermos os levantamentos, fizemos, pela parte de fora, o que eu chamava escavar a raiz, quer dizer, a base do esteio, que estava quebrado, e encontro por baixo cerca de dois metros e tal, três metros, de brita e areia, e eu me lembro de ficar emocionado, ao pensar que essa terra desde que foi posta aqui, há cinco mil anos, nunca mais ninguém lhe mexeu.
Houve ainda necessidade de fazer uma outra modificação, um esteio do corredor, ou melhor, onde encostava a pedra padieira. Havia uma pedra que estava numa posição instável, que eu chamo a pedra de padieira. Era a pedra que tapava a diferença entre a altura do corredor e a altura da câmara. Sendo assim aliviou-se esse esteio para esse lado e levantou-se, puxou-se esse que estava inteiro, para garantir um paralelismo em relação ao outro.
Bom, uma vez, eu estava muito entusiasmado, quando começamos a levantar a pedra, eu estava muito entusiasmado ao lado do guincho, quando um dos cabos se rompeu e a pedra abateu cinquenta centímetros. Se me caísse em cima, tinha sido morto no campo de batalha, não é, enterrado com todas as honras dos ladrões de túmulos (risos).
De todos os materiais que encontrou qual foi aquele que o mais surpreendeu na Anta Grande do Zambujeiro?
Um deles foi o ídolo de cerâmica com olhos da idade do ferro, outra, a taça ou vaso com decoração simbólica (ME 3816). Quando se encontrou o primeiro fragmento… eu discutia os achados com os meus homens, homens e mulheres, não é, porque o senso comum é útil para a interpretação simbólica. O que é que vêem? E eles me disseram: Isto é um sol. Todas as pessoas estavam apontando para um símbolo, é natural que fosse assim. Eu disse: isto é um olho. Quando, no ano seguinte, aparece o segundo fragmento da peça, vieram logo dizer: Olhe, está cá, o senhor dizia e era verdade, cá está o outro fragmento com a representação do olho. As duas partes fazem um olhar.
Eu conhecia materiais já escavados, encontrados pelo Veiga Ferreira, vasos com aquelas formas, com o nariz, no fundo uma representação humana. Hoje discute-se se aquele triângulo-nariz não seria a representação do ser feminino, o púbis, o que é possível porque uma coisa é pensar-se no vaso como a representação de uma face e outra coisa é pensar-se na representação de um corpo. Portanto, eu tinha uma interpretação diferente, a minha interpretação era mais cultural que o das outras pessoas. E para quê eram os olhos? Para ver, como acontece com os barcos que tem um olho de um lado e do outro, que é para verem o caminho. As pessoas continuam a por o São Cristóvão para ajudar no caminho, continuam a fazer as mesmas coisas. Essas eram as nossas conversas e isso era importante.
Não há nenhuma ossada completa no espólio da Anta Grande do Zambujeiro?
Havia o problema da recolha e de levantamento dos ossos. Nós levantamos o que foi possível. Nós embrulhamos os fragmentos de ossos que iam se desfazendo. Mas não há propriamente nenhum conjunto, uma ossada. Havia tíbias, costelas…
E o Marcelino?
Chamavam-lhe o Marcelino, porque era o mais próximo de um indivíduo, via-se que estava ali, sei que ele tinha a cabeça caída, muito próxima da bacia, mas era sobre as coxas. Sim, há na colecção restos de dentes, maxilares, e algumas costelas. O Marcelino não tinha placa. A mandíbula estava caída sobre as coxas, o que dava a ideia de ele estar encostado, talvez tenha sofrido um processo de mumificação, com ervas e salitre, um pouco a semelhança das práticas da América do Sul. Mas o Marcelino estava com pedras à volta, o que significava que o corpo não se segurava, não havia rigidez cadavérica, porque não foi feito assim. É a única coisa que eu posso concluir, porque desapareceram as articulações, etc. Também pode acontecer que houvessem mumificações fora da Anta, e que colocassem os ossos em colecções, porque houve forma de inumações em que o corpo era representado somente pelas partes mais duráveis.
E como é que organizava as suas pesquisas de campo, que incluem a identificação de muitas antas e menires? Além do Cromeleque dos Almendres que é concomitante a Anta Grande do Zambujeiro, podemos mencionar a descoberta, em 1966, do Cromeleque da Portela de Mogos, em 1967, o menir da Herdade das Reboladas, em 1969 o menir da Herdade da Correia, etc., ao ponto de ficar conhecido como o “pai dos menires”?
Foi o Otávio Veiga Ferreira, do Museu dos Serviços Geológicos que brincava: aqui está o homem que inventou os menires, o homem descobridor dos menires. Encontrei, encontrei como as pessoas encontram as coisas, têm o olho orientado em determinado sentido. Além disso, eu tenho uma rede enorme de colaboradores. Esses colaboradores são os caçadores, os guardas rurais, os pastores, são as pessoas com que eu ando. Eu contei o caso da Anta Grande do Zambujeiro, mas depois eu fazia passagens de slides, nas aldeias, e vinha tudo, os gaiatos a correr, eu a Maria de Jesus Zorrinho a passar aquilo, era preciso que eles vissem aquilo, e depois aparecia um homem e dizia: ah, eu estive a trabalhar num olival… Um homem que estava a trabalhar me disse que havia uma quantidade de coisas como estas… uns cilindros, estavam uns cilindros ao pé da horta, foi quem me mostrou o menir da Herdade do Pinheiro.
Foi a primeira pessoa a tomar atenção aos menires, a sua localização e ver que havia um padrão para o seu levantamento.
É como eu costumo dizer, às vezes, a gente olha mas não vê. Quando o senhor António Gadunhas veio me indicar o que era um dólmen enterrado, e outra coisa que era o Cromeleque dos Almendres, eu chorei, fiquei muito comovido, mais com o cromeleque do que com a própria Anta Grande do Zambujeiro. Porque com a Anta era uma espécie de proposta que eu havia de encontrar coisas em condições diferentes. E foi, eu fiquei convencido que, nos grandes dólmens, a maior parte da riqueza pode estar na parte exterior da mamoa…
…No átrio.
Se eles já desapareceram, como aconteceu com as antas menir, desapareceu com ela essa informação. Não é na parte de dentro que está a arca das libras. Aí podem estar os últimos enterramentos, e há dados que podem ser fundamentais para uma datação. O que pode acontecer com a Anta Grande do Zambujeiro, que pode datar o sismo que eu julgo que afectou, e muito, o monumento…
A escavação da Anta Grande foi o seu último trabalho de campo?
Foi. Nos dias da escavação, havia ao fim da tarde uma exposição do material que tinha aparecido. As pessoas de Valverde, o Augusto Farjado, a Joaquina, o António Sabina, o Daniel Garrinho, toda a gente da comunidade, os homens, as mulheres, os gaiatos, toda a gente vinha ver o que estava a acontecer nas escavações. E eu depois disse ao Armando Perdigão que o que havia a fazer era dar a guarda do monumento à comunidade de Valverde. Era a única forma de manter a salvaguarda do monumento. O presidente do Instituto de Agronomia, o Aires de Azevedo, me disse que a melhor coisa a fazer era uma espécie de cobertura, e fazer uma exposição local com réplicas de peças encontradas e uns painéis explicativos. Houve mesmo, nessa época, uma exposição em Évora, em que as peças foram apresentadas como “artesanato pré-histórico”, mas foi importante para a população da cidade, todos vieram ver a exposição.
E depois o material é depositado na sua casa…
Quando me entregaram o material em casa, eu estava de mudança para o Porto. Os materiais estiveram então na minha casa no Porto, depois vieram comigo de novo para o Sul, mas eu não tinha condições de empreender uma investigação daquela envergadura, nem sequer de espaço, eu trabalhava como professor, e era preciso a formação de uma equipa universitária. Em 1988, mais uma vez respondendo as solicitações das entidades púbicas, deposito, ou melhor, o espólio da Anta Grande do Zambujeiro é transferido para aos Serviços de Arqueologia do Sul, e logo de seguida fica em depósito no Museu de Évora.

5. Bibliografia arqueológica de Henrique Leonor de Pina:
Pina (1961a), Henrique Leonor, “A Anta da Herdade do Duque em Reguengos de Monsaraz” in Revista de Guimarães, volume LXXI, n.ºs 1-2. Guimarães: Sociedade Martins Sarmento, 1961.
Pina (1961b), Henrique Leonor, “Nota sobre as indústrias líticas da foz do Leça, Leixões” in Boletim do Museu e Laboratório Mineralógico e Geológico da Faculdade de Ciências de Lisboa, n.º 9, Lisboa: Faculdade de Ciências de Lisboa, 1961.
Pina(1962), Henrique Leonor, “A Anta da Azinheira em Reguengos de Monsaraz” in Trabalhos de Antropologia e Etnografia, volume XIX, fascículo 1. Porto: Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnografia e Faculdade de Ciências do Porto, 1962.
Pina, Henrique Leonor, e Carvalho, Galopim de (1962), “A Anta da Velada das Éguas, Barrocal, Évora in Boletim da Junta Distrital de Évora, n.º 2, Évora: Junta Distrital de Évora, 1962.
Pina (1971), Henrique Leonor, “Novos Monumentos Megalíticos do Distrito de Évora” in Actas do II Congresso Nacional de Arqueologia. Coimbra, 1971.
Pina (1976), Henrique Leonor, “Cromlechs und Menhire bei Évora in Portugal” in Madrider Mitteilungen n.º 17. Heidelberg: F. H. Kerle Verlag, 1976.


sexta-feira, 4 de maio de 2018





Um 1º de Maio a caminhar

Há cerca de um ano a União de Freguesias da Tourega e Guadalupe, desafiou o José Pedro Calheiros e a SAL, para testar um percurso pedestre ainda transitável (com quase 25 km) e que permite a visita a alguns dos principais monumentos arqueológicos do seu território. Desse primeiro ensaio que teve pouca adesão, talvez por deficiência de divulgação, demos então conta neste blog    (ver aqui) .



Resolvemos por isso repetir a experiência, até porque ainda não desistimos do propósito que norteou esta iniciativa: marcar no terreno o percurso, obedecendo às normas e regras do pedestrianismo e obter a respectiva homologação junto das entidades competentes. Esta zona, por razões óbvias já é regularmente procurada por grupos turísticos organizados e enquadrados por empresas especializadas, que percorrem sectores específicos do trajecto em causa. No entanto julgamos que haverá condições para que essa actividade possa ser também realizada sem a necessidade desse enquadramento, o que, certamente, atrairia um número crescente de praticantes, com todas as vantagens.


Ao contrário do que aconteceu o ano passado, a caminhada do passado dia 1 de Maio, atraiu este ano três dezenas de interessados, quase todos forasteiros (Évora, Borba, Lisboa, Almada, etc...) que, julgamos nós pelos comentários e reações, apesar do cansaço, deram por bem empregue a experiência.

A foto de grupo no Cromeleque dos Almendres, onde se iniciaria a última etapa do percurso.

Por razões de divulgação, o início e final da caminhada, foi sinalizado junto do futuro "Centro Interpretativo dos Almendres", uma estrutura em início de construção e que esperamos venha a ser uma estrutura de apoio para este tipo de iniciativas e actividades de cariz turístico-cultural. Infelizmente e ao contrário do que estava previsto, dadas as condições climatéricas, as obras estão muito atrasadas. Ainda assim, por coincidência, nas vésperas da caminhada, tinham sido betonadas as respectivas fundações, operação registada em foto magnífica do Mário Carvalho, um dos promotores deste projecto.

A partida e a chegada, aconteceram junto ao futuro Centro de Interpretação dos Almendres. A foto do Mário de Carvalho regista o momento da betonagem dos alicerces que aconteceu na véspera do passeio.

As ruínas do Moinho da Ponte

A velha Ponte, perto do Monte das Pedras

Paragem para apreciar uma rara perspectiva de uma "mamôa pré-histórica"

Para evitar danos maiores,  (e na falta de uma intervenção de restauro urgente)  recentemente foi sinalizado o perigo que representa para os visitantes, a periclitante situação da Anta Grande do Zambujeiro...

A obrigatória passagem por Valverde, junto à cerca da Mitra


Apreciando as vistas no "Castelo do Giraldo"

Junto ao Menir dos Almendres, já no regresso a Guadalupe
Descendo dos Almendres para Guadalupe no confronto permanente com o trânsito turístico ininterrupto...que faz deste monumento o sítio pré-histórico mais visitado do país.

sábado, 7 de abril de 2018


Jacques TIXIER 

(1 de janeiro de 1925-3 de abril de 2018)

Jacques Tixier, nas Portas do Ródão (foto de Luis Raposo)

Através de uma nota enviada ao ARCHPORT pelo Luis Raposo tive conhecimento do desaparecimento de mais um grande nome da Arqueologia pré-histórica francesa, JACQUES TIXIER. Em várias notas historiográficas, me tenho aqui referido, à grande influência que a "escola francesa" teve para a geração de arqueólogos portugueses a que me orgulho de pertencer. De facto, para além da tradicional relação cultural com a França, no contexto geral das Humanidades (hoje irremediavelmente ultrapassada pelo universo anglo-saxónico), os estudantes de Letras que nos anos 70 e 80 do século passado se interessavam sobretudo pela Pré-história Antiga (como os que integravam o GEPP-Grupo para o Estudo do Paleolítico Português)  procuravam nas obras de um conjunto de grandes pré-historiadores franceses, os indispensáveis conhecimentos e inspiração para a concretização dos projectos de pesquisa com que então "sonhavam". 

Por circunstâncias várias, a que não foi estranha a abertura de fronteiras e de perspectivas que o "25 de Abril" proporcionou, alguns de nós acabaríamos por vir a estabelecer relações de colaboração e até de amizade, ao longo das respectivas carreiras, com alguns dos "pré-historiadores franceses" que nos haviam inspirado. Pelas leis naturais da vida, a maioria desses arqueólogos foi entretanto desaparecendo, tal como acaba de acontecer com Jacques Tixier, um verdadeiro "senhor" da Pré-história mundial, que conhecemos em 1978 em Chenavele, graças à amizade com outro grande nome já desaparecido em 2015, René Desbrosses  ( ver aqui ) .

O grupo de arqueólogos-estudantes que em 1978 teve oportunidade de conhecer pessoalmente Jacques Tixier (já então um pré-historiador de renome mundial) nas escavações de La Colombière, em Chenavele: à esquerda, o Luis Raposo. Reconhecem-se ainda José Mateus, Maria João Coutinho, Ana Isabel e Francisco Sande Lemos (foto de ACS)

Pessoalmente ainda recordo bem a sessão pública sobre "talhe experimental de silex" que Tixier realizou no Museu Nacional de Arqueologia mas foi sobretudo o Luis Raposo que manteve mais estreitas relações de trabalho e amizade com o arqueólogo agora desaparecido. No emotivo documento que entretanto divulgou, Luis Raposo recorda entre outros factos, a passagem de Tixier nas escavações da Foz do Enxarrique, um importante sítio do Paleolítico Médio da zona do Ródão, a cuja escavação tive a honra de estar ligado nos seus primórdios, e que viria a ter um papel relevante na renovação dos estudos paleolíticos em Portugal.


Com a devida vénia aqui transcrevo o texto do Luis Raposo, bem como algumas das imagens que a ilustram, e que julgo se enquadram no carácter memorialista de uma certa época, que este blog tem mantido. 


"Adieu, Jacques Tixier !

Confesso que, mais do que pesaroso, fiquei chocado ao saber do falecimento de Jacques Tixier, talvez o último “senhor” da longa, rica e hoje já velha “escola francesa” de tipologia e tecnologia líticas.iquece

Recordo com grande emoção os contactos que tivemos, desde Chenavel até Ródão. Recordo a sua forma de ser simples, a sua frontalidade amiga e pedagógica, a sua profunda humanidade. Recordo o seu saber, a sua mestria, mas recordo sobretudo recordo e reverencio a sua história pessoal única e fortemente inspiradora.

Jacques era um humilde professor do ensino primário, perdido algures no interior da Argélia, quando pelo contacto com Lionel Balout despertou para a Pré-História e o estudo de materiais líticos. E nunca deixou de ser, dentro de si, esse professor primário. Regressado a França era já apreciado pelo rigor analítico, e, simultaneamente, pelo espírito funcional e prático que pôs tanto na sua tipologia dos machados de mão (a primeira e até hoje a mais eficaz tipologia tecnológica de um conjunto importante de utensílios do Acheulense) como nas suas tipologias e catálogos de formas das indústrias microlíticas e microlamelares do Norte de África. Tornou-se então também grande amigo de François Bordes – que o tinha em elevadíssima consideração (coisa rara em Bordes, como se sabe).

Nunca quis seguir a via formal de investigador e muito menos académico. Preferiu sempre a liberdade de fazer o que lhe dava gosto e nunca suportou a hierarquia empalhada e de salão. Por isso nunca se doutorou – e eu pude bem testemunhar as suspeições a que tal dava origem por parte do establishment universitário francês, mesmo depois de lhe ter sido conferido um grau de doutor ad-hoc, com base em relatório que fez da sua vida de pré-historiador. Recordo, por exemplo, as dificuldades que por causa disso senti quando o convidei para meu orientador de doutoramento – o que ele logo aceitou com amizade quase paternal. Só mais tarde, o CNRS viria a abrir-lhe as portas com a criação de uma Unidade de Investigação feita à sua medida (tanto na definição da missão como até na localização excêntrica, fora de Paris) e de que ele aceitou ser director.

Recordo-o finalmente connosco, em Portugal. No Museu Nacional de Arqueologia, onde nos deliciou com as suas sessões de tecnologia experimental. Mas sobretudo em Ródão, nas escavações da Foz do Enxarrique. Recordo aí como se juntou aos escavadores, carregando baldes como os outros para a crivagem e pedindo-me que o colocasse num quadrado, sem sequer dizer aos participantes quem ele era. Recordo como certo dia, não sabendo com quem falava, uma estudante espanhola ao seu lado o recriminava por ser menos atento na decapagem do solo… desculpando-se ele com trejeitos quase envergonhados (a mesma estudante viria mais tarde a desfazer-se em desculpas quando eu lhe disse com quem tinha estado ao lado durante a sua estadia entre nós). Recordo os convívios que tivemos, ao almoço, em mesa corrida, ou em sessões casuais de introdução ao talhe da pedra. Recordo as discussões vivas que tivemos naquele local, em face de peças que íamos descobrindo. Uma em especial, tem-me percorrido toda a vida: um núcleo (para mim) ou biface (para ele) que nos provocou alguma exaltação, tendo a discussão terminado com ele, não convencido de todo, a dizer-me “pronto, a escavação e o sítio é teu e eu calo-me” (ainda hoje eu penso que tinha razão, devo acrescentar, e publiquei entretanto descrição aprofundada da dita peça, que lhe enviei e ele magnanimamente acusou ter recebido e apreciado).

Enfim, de Jacques Tixier o mais que posso dizer é que o recordo. E recordarei sempre. Tudo o resto, fica dentro de mim.

Luís Raposo"



Jacques Tixier nas escavações da Foz do Enxarrique (Foto de Luis Raposo)


Jacques Tixier, em sessão de talhe experimental, para os participantes das escavações da Foz do Enxarrique (no acampamento da "Sra da Alagada", Ródão- Foto de Luis Raposo)









quarta-feira, 4 de abril de 2018

"APARIÇÃO" NAS PEDRAS TALHAS


Está em exibição numa das novas salas de cinema de Évora, o filme APARIÇÃO, baseado na conhecida obra homónima de Virgílio Ferreira. As rodagens tiveram lugar na própria cidade de Évora e arredores em Novembro de 2016, procurando ir ao encontro do peculiar ambiente social, urbano e rural, dos anos 50 do século XX em que o romancista coloca a acção. A referencia neste blog resulta do facto de, mais uma vez, as pedras talhas dos ALMENDRES, terem servido de cenário cinematográfico, situação que não é nova ( ver aqui ).

Quando no Outono de 2016, fui contactado pela respectiva produção (através da Direcção Regional de Cultura do Alentejo) para conhecimento prévio das condições para filmar nos Almendres (uma atenção e um cuidado que nem todos têm, pois por vezes só damos pelas filmagens ou outras actividades "a posteriori", como aconteceu com a novela "O Sábio" que passa actualmente na RTP1), tive então oportunidade de transmitir a habitual informação: o Cromeleque dos Almendres é um "monumento nacional" e como tal, a entidade da tutela do Ministério da Cultura (DRCA) deve ser ouvida sobre as condicionantes técnicas a ter em consideração nas acções a desenvolver no local e na sua envolvente mas compete a última palavra no que respeita a autorizações, aos "proprietários" (que no caso em questão não costumam levantar objecções...pois, infelizmente o seu interesse relativamente ao monumento localizado na sua Herdade é o que se conhece e a que já nos temos aqui referido). 

Acrescente-se ainda que, conhecendo a obra literária em questão (e que aproveitei para reler), não deixei de enviar um "recado" ao realizador Fernando Vendrell através da produção: os Almendres só foram "identificados arqueologicamente" nos anos 60 como aqui referimos ) e apesar das "pedras talhas" já serem conhecidas dos habitantes locais, o seu aspecto seria completamente diferente nos anos 50, conforme mostram as suas primeiras fotografias. A produtora executiva com quem então falei e cujo nome não recordo (com a aposentação, perdi o acesso ao historial dos meus mails, um arquivo cuja falta já tenho sentido...), disse-me então que o Fernando Vendrell estava consciente dessa pequena "incongruência histórico-factual" mas que tinha "adorado" as qualidades cinéfilas do local e não resistia a utilizá-lo como cenário para um dos diálogos filosóficos em que o romance é fértil.

A cena em causa, cuja filmagem acompanhei depois em representação da DRCA e que já tive oportunidade de ver numa das salas do Cine Plaza de Évora, mostra um velho "carocha" da época, aproximando-se dum Cromeleque mergulhado na névoa matinal, criando um ambiente propício ao diálogo filosófico sobre o sentido da vida e da existência que acontece entre professor e aluno passeando entre os menires.

Nota final: Acresce a estas imagens dos Almendres várias cenas filmadas na Herdade da Mitra (Valverde), nomeadamente no Convento do Bom Jesus e no Pátio Matos Rosa, com a colaboração de figurantes locais e da União de Freguesias da Tourega e Guadalupe. Nos agradecimentos finais da ficha técnica, simpaticamente, é mencionada essa colaboração por parte da Junta de Freguesia.

Cena de a "APARIÇÃO"_ o carocha chegando aos Almendres. Hoje, felizmente, em condições normais tal já não é autorizado.

"APARIÇÃO"- professor e aluno falam sobre o sentido da vida e da existência tendo os menires como testemunhas silenciosas.

Outros "menires" (estes certamente réplicas de menires escoceses), inspirando outro tipo de histórias...

A novela "O Sábio", também com cenas filmadas nos Almendres mas neste caso sem qualquer conhecimento prévio da DRCA

domingo, 1 de abril de 2018


A GRUTA DO ESCOURAL E A ARQUEO-ACÚSTICA 
versão 0.2


Há cerca de 3 anos, correspondendo a um desafio do colega Fernando Coimbra, professor no Instituto Politécnico de Tomar, acompanhei com alguma curiosidade mas também algum cepticismo, Paolo Debertolis, um médico italiano, também arqueólogo "acústico", na busca de possíveis especiais efeitos sonoros ou, por outras palavras, de respostas acústicas diferenciadas, nalguns monumentos megalíticos de Guadalupe e também na Gruta do Escoural. ver breve referencia aqui 

Bruno Fazenda, preparando a emissão e gravação de mais um sinal sonoro no Escoural (coluna em primeiro plano). Um dos microfones está próximo do motivo rupestre, enquanto o outro, para comparação, está num local próximo mas sem qualquer vestígio rupestre.
Desde então não tive conhecimento de qualquer resultado das várias experiências e gravações sonoras efectuadas. Recentemente, o Fernando Coimbra contactou-me de novo. Esclarecida a ausência de resultados dos anteriores testes (segundo referiu uma mera experiência pontual sem mais consequencias, perante a reduzida experiência arqueológica do médico italiano) o Fernando, dado o seu crescente interesse nesta temática tão específica, por minha intermediação, julgando que eu ainda estava no activo, vinha propor à Direcção Regional de Cultura do Alentejo, a realização de novos testes agora centrados na Gruta do Escoural. Desta vez, porém, os testes seriam conduzidos por um jovem cientista português, Bruno Fazenda, investigador residente no Acoustics Research Centre, da School of Computing, Science and Engineering, Universidade de Salford, uma das principais instituições de investigação acústica a nível mundial e que coordenara recentemente um conjunto de testes acústicos em meia dezena de grutas rupestres do Norte de Espanha. Obtidas as autorizações necessárias junto da DRCA, os testes acústicos realizaram-se recentemente na Gruta do Escoural, sob a direcção de Bruno Fazenda e a colaboração do Fernando Coimbra, do André Pinto (jovem investigador em temáticas acústicas, formado na Universidade de Évora) e de Raquel Castro, doutorada em multimédia. A minha presença justificou-se essencialmente, para apoio à selecção e localização dos "motivos rupestres" (pinturas ou gravuras) cujo posicionamento no interior da cavidade, seria avaliada do ponto de vista da qualidade da respectiva "resposta acústica". 

Diga-se, entretanto, que sobre esta matéria da "arqueo-acústica", e salvo a curta experiencia prática já referida, pouco ou nada conhecia, nomeadamente no que respeita à sua aplicação à investigação de grutas rupestres. Foi portanto especialmente útil o acesso aos resultados dos testes em Espanha, publicados sob a direcção do próprio Bruno Fazenda no conceituado Journal of the Acoustic Society of America. Com efeito, apesar de há muito serem conhecidos instrumentos musicais (nomeadamente flautas e apitos em osso) descobertos em contextos paleolíticos e daí se depreender a existência de rituais pré-históricos propiciados através de actividades musicais ou sonoras, datam apenas dos anos 80 do século passado, os primeiros ensaios que de forma organizada e sistemática, ainda que com recursos técnicos limitados, procuravam provar a existência de uma relação entre as características das respostas acústicas e a localização dos motivos rupestres nalgumas grutas franceses. São especialmente conhecidos e citados os trabalhos de Iégor Reznikoff e Michel Dauvois em grutas como Le Portel, Niaux, Arcy-sur-Cure ou Isturitz, esta especialmente significativa pela descoberta de vestígios de instrumentos musicais. Apesar da forte convicção daqueles investigadores, as limitações técnicas e metodológicas não permitiram ir além do levantamento de hipóteses muito discutíveis. Tentando ultrapassar aquelas dificuldades, a equipa liderada por Bruno Fazenda e na qual participaram conhecidos arqueólogos, munida dos mais modernos recursos tecnológicos, procurou estabelecer uma metodologia que de forma objectiva e através de parâmetros mensuráveis, avaliasse a qualidade acústica dos locais escolhidos pelos paleolíticos para efectuarem os motivos rupestres. Centrando-se num pequeno conjunto de grutas rupestres do Norte de Espanha, nomeadamente El Castillo e Tito Bustillo entre outras, e analisados os respectivos resultados com recurso à estatística, o estudo permitiu chegar às seguintes conclusões: os motivos rupestres em geral e as linhas ou pontos, em particular, parecem estar localizados preferencialmente em sítios cuja reverberação é moderada e onde a resposta acústica às baixas frequências evidencia efeitos de ressonância. No entanto, conclui ainda o estudo, uma associação entre a localização dos motivos rupestres dentro da gruta com determinadas especificidades acústicas, é estatisticamente fraca ainda que suficiente para sustentar a hipótese de determinados efeitos sonoros e respectivas características terem influenciado o comportamento humano. 

Face ao alcance muito limitado destas conclusões, facto reconhecido pelo próprio Bruno Fazenda (actualmente envolvido numa ampla investigação acústica sobre Stonehenge), aquele estudo vale sobretudo pelo estabelecimento de uma metodologia rigorosa que passará a servir de padrão obrigatório em trabalhos futuros e que no Escoural, aquele investigador teve oportunidade de ensaiar de novo. Pessoalmente, no entanto, pese embora o reconhecimento quase intuitivo do certamente importante papel dos sons nas múltiplas facetas do dia a dia da humanidade pré-histórica, julgo que dificilmente, no caso de uma cavidade tão pequena como a do Escoural, as eventuais variáveis de qualidade acústica, poderiam ter influenciado a escolha da localização da centena de motivos pintados ou gravados ali identificados (mesmo partindo do princípio pouco provável que a sua grande maioria teria sido produzido pela mesma comunidade). De qualquer modo, os testes efectuados na Gruta do Escoural,  com sucessivas gravações digitais de sinais sonoros percorrendo toda uma escala dos mais graves aos mais agudos, uma vez analisados estatisticamente e devidamente publicados, passarão a ser, tanto quanto me é dado conhecer, uma estreia absoluta na arqueologia pré-histórica portuguesa. Mais uma a que esta Gruta ficará ligada.

Para eventuais interessados, aqui fica a nota bibliográfica que serviu de apoio a este post, mostrando que até nas disciplinas mais improváveis, os jovens investigadores portugueses, estão hoje a "dar cartas", ainda que, quase sempre como "imigrantes".

Cave acoustics in prehistory: Exploring the association of Palaeolithic visual motifs
and acoustic response. Bruno Fazenda, Chris Scarre, Rupert Till, Raquel Jiménez Pasalodos, Manuel Rojo Guerra, Cristina Tejedor, Roberto Ontañón Peredo, Aaron Watson, Simon Wyatt, Carlos García Benito, Helen Drinkall, and Frederick Foulds; The Journal of the Acoustical Society of America 142, 1332 (2017);



O equipamento básico para os testes acústicos: gravador digital e 2 microfones de alta perfomance, e a coluna para emissão do sinal sonoro


Breve briefing antes do início dos testes acústicos na Gruta do Escoural: a partir da esquerda, Bruno Fazenda, André Pinto, Raquel Castro e Fernando Coimbra